logo

Bem Vindos ao Nutrição e Desenvolvimento

Horário de Atendimento
Segunda - Sexta 09:00AM - 17:00PM
Sábado - Domingo FECHADO
NOSSA GALERIA

Seg - Sex 9.00 - 17.00 Sab - Dom FECHADO

55-11-3845-7267

R. Guarará, 529 - Cj. 58 - Jardim Paulista, São Paulo

Top

Os segredos da longevidade: veja dicas para manter o cérebro jovem e saudável

Como ficar jovem por mais tempo? O que fazer para chegar bem aos 80, 90 anos? A geriatra Jullyana Toledo fala sobre os alimentos que são fonte de juventude e o neurologista Rogério Panizuti explica como manter a atenção e o foco por mais tempo. Escrever, caminhar, jogar baralho e aprender a tocar um instrumento podem ajudar o cérebro a ficar mais jovem. Os hábitos podem ajudar a ter uma vida mais longa e saudável. A alimentação é muito importante. Por isso, o ideal é comer alimentos protetores do envelhecimento, que são os antioxidantes, que retardam o envelhecimento das células. Aposte em alimentos com a cor roxa, que contêm substâncias chamadas antocianinas. Elas são boas para os vasos sanguíneos e ajudam a manter a saúde do coração e...

Share

Os beneficios do Vinagre de Maçã

Fonte: Revista Saúde 1. Leva à perda de peso Um de seus compostos mais importantes é o ácido acético, que atua queima de calorias. “Além disso, promove a sensação de saciedade, dada a presença das quercetinas”, explica a nutricionista Camilla Coelho. “Elas atuam mais ou menos como as fibras, retardando o esvaziamento gástrico”, completa. Um trabalho publicado na revista Bioscience, Biotechnology and Biochemistry (2009) comprova: após observar 175 pessoas obesas que consumiram o vinagre diluído em água por 12 semanas, antes das refeições, concluíram que houve redução de 10% da gordura visceral e do peso corporal do grupo. 2. Previne o diabetes Um dos benefícios mais pesquisados e promissores é a redução da glicose do sangue. Um estudo publicado em 2004 na revista Diabetes Care, da American Diabetes Foundation, revalidado em 2007,...

Share

Limão – Agente alcalinizante e mineralizante

Fonte: Doce Limão por Conceição Trucon O limão é uma fruta cítrica porque contém cerca de 5 a 7% de ácido cítrico em seu suco, ou seja, cada 100 gramas de suco fresco e puro de limão contém de 5 a 7 gramas de ácido cítrico e citratos, que são os sais do ácido cítrico. Tal concentração de ácido cítrico ocorre em qualquer uma das suas variedades, no limão original que é o Siciliano, no limão Galego (típico na região centro-oeste do Brasil), nos tipos rústicos como é o caso dos limões Cravo, Rosa, Capeta ou Vinagre, ou mesmo no limão enxertado como é o caso do Tahiti. Observe que as frutas cítricas encontram-se na faixa alcalinizante,  com os limões encostados no pH 10. Este teor médio de 6%, considerado...

Share

Comer em “tempo errado” afeta o peso corporal e os ritmos circadianos

Um novo sistema de alimentação de alta precisão para ratos de laboratório reforça a idéia de que a comida do dia do dia é mais crítica para o peso do que a quantidade de calorias ingeridas. Os ratos em um plano de calorias reduzidas que até apenas durante a alimentação normal / ciclo ativo foram os únicos entre cinco grupos a perder peso, apesar de consumir a mesma quantidade que outro grupo alimentado durante o tempo de descanso à luz do dia, de acordo com o estudo no UT Southwestern Centro médico. "Eles sugerem ainda que comer no momento errado durante a noite não levará a perda de peso mesmo quando estiver fazendo dieta", disse o Dr. Joseph S. Takahashi, presidente da Neurociência no Instituto de cérebro...

Share

Adoçantes artificiais estão ligados ao risco de aumento de peso, doenças cardíacas e outros problemas de saúde

Fonte: Canadian Medical Association Journal Os edulcorantes artificiais podem estar associados ao aumento de peso a longo prazo e ao aumento do risco de obesidade, diabetes, hipertensão arterial e doença cardíaca, de acordo com um novo estudo. O consumo de edulcorantes artificiais, como aspartame, sucralose e stevia, é generalizado e crescente. Os dados emergentes indicam que os edulcorantes artificiais ou não nutritivos podem ter efeitos negativos sobre o metabolismo, bactérias intestinais e apetite, embora a evidência seja conflitante. Para entender melhor se o consumo de adoçantes artificiais está associado a efeitos negativos a longo prazo sobre o peso e a doença cardíaca, pesquisadores do Centro George & Fay Yee da Healthcare of Healthcare Innovation da Universidade de Manitoba realizaram uma revisão sistemática de 37 estudos que seguiram mais de...

Share

Biodiversidade Documentário aponta soluções para melhorar a nossa alimentação

Por JULIANA CARREIRO, Estadão A iniciativa é dos Novos Urbanos, plataforma de diálogo para a inovação social, voltada para o tema ‘comportamento de consumo’. A produção será exibida simultaneamente na plataforma digital Video Camp (http://www.videocamp.com/pt/) que conecta filmes transformadores a espectadores ao redor do mundo. A obra tem o objetivo de conscientizar e ampliar a discussão sobre a forma como nós, brasileiros, temos nos alimentado. O roteiro é conduzido por falas de entrevistados como José Graziano, diretor-geral da ONU para Agricultura e Alimentação; Gisela Solymos, psicóloga responsável pelo Centro de Recuperação e Educação Nutricional; Maria Eduarda, nutricionista do INCA; Alex Atala, chefe de cozinha e Bela Gil, culinarista e apresentadora de tv; entre outros. E traz exemplos de como a biodiversidade e o resgate da nossa identidade cultural...

Share

Endometriose pode ser amenizada com mudanças no estilo de vida

Por ANA PAULA SCINOCCA, Estadão Você sabia que a alimentação alimentação inadequada é um dos fatores de risco da endometriose? “Uma mulher que come uma dieta com alimentos com alta carga glicêmica e rica em alimentos processados é uma mulher inflamada, pois esses produtos liberam uma série de prostaglandinas, substâncias liberadas no corpo em resposta a um agente inflamatório. Ao contrário, uma mulher que se alimenta de vegetais e com uma dieta rica em nutrientes e antioxidantes, reduz a sua inflamação sistêmica.” A afirmação é da médica Bruna Pitaluga Peret Ottani, ginecologista e obstetra, pós-graduada em Nutrologia e membro do The Institute for Functional Medicine (IFM). Segundo ela, uma dieta para mulheres com endometriose deve ser rica em verduras, proteína de alta qualidade (ex ovos), nozes (todos os...

Share

Oleaginosas para a longevidade

Sim, sim, sim, sabemos que as oleaginosas são saudáveis e que podem nos ajudar a viver por mais tempo. Um estudo de 2013 descobriu que as pessoas que comiam um punhado diário delas tiveram 20 por cento menos probabilidade de morrer ao longo de um período de 30 anos. Mas agora, uma nova pesquisa não só confirma isto como também adiciona outras doenças à lista de danos corporais que as oleaginosas combatem. Uma grande análise da pesquisa atual, publicada na revista BMC Medicine, sugere que as pessoas que comem pelo menos 20 gramas de oleaginosas (noz, amêndoa, avelã, caju, pistacho, noz-pecã, amendoim, castanha-do-pará) por dia têm um menor risco de doença cardíaca, câncer e outras doenças. Pesquisadores da Escola de Saúde Pública do Imperial College de Londres...

Share

Qual a dieta saudável? Isso depende dos seus genes!

Um estudo recentemente publicado da Universidade de Cornell descreve como as mudanças nas dietas dos europeus após a introdução da agricultura há 10 000 anos levaram a adaptações genéticas que favoreceram as tendências alimentares da época. Antes da revolução neolítica que começou há cerca de 10 mil anos atrás, as populações européias eram caçadoras-coletoras que comiam dietas de origem animal e alguns frutos do mar. Mas após o advento da agricultura no sul da Europa há cerca de 8 mil anos, os agricultores europeus mudaram para as dietas primordialmente pesadas. O estudo - o primeiro a separar e comparar as adaptações que ocorreram antes e depois da Revolução Neolítica - revela que essas práticas alimentares se refletem nos genes dos europeus. "O estudo mostra o papel de uma...

Share

Comer peixe pode reduzir os sintomas de artrite

Em um estudo recente, indivíduos com artrite reumatóide que consumiram peixe? 2 vezes por semana tiveram menor atividade da doença (contagem de inflamação / contagem tátil, juntamente com outras avaliações) do que aqueles que comeram peixe nunca para <1 / mês. Havia também uma associação graduada, de modo que as porções crescentes de peixes estavam ligadas a níveis de atividade de doença gradualmente menores. No estudo de 176 pacientes, a freqüência de consumo de peixe foi avaliada por um questionário de freqüência alimentar avaliando a dieta habitual no ano passado. "Se o nosso achado se sustenta em outros estudos, sugere que o consumo de peixe pode diminuir a inflamação relacionada à atividade da doença da artrite reumatóide", disse a Dra. Sara Tedeschi, autora principal do estudo Arthritis...

Share