logo

Bem Vindos ao Nutrição e Desenvolvimento

Horário de Atendimento
Segunda - Sexta 09:00AM - 17:00PM
Sábado - Domingo FECHADO
NOSSA GALERIA

Seg - Sex 9.00 - 17.00

55-11-3845-7267

Whatsapp 55-11-9833-2857

R. Guarará, 529 - Cj. 58 - Jardim Paulista, São Paulo

Top

Junk food levanta risco de depressão diz estudo

Uma dieta de fast food, bolos e carnes processadas pode aumentar significativamente o risco de depressão, segundo um estudo.

Pesquisadores da Universidade Metropolitana de Manchester, no Reino Unido, descobriram que comer alimentos que promovem inflamação – como os ricos em colesterol, gorduras saturadas e carboidratos – coloca as pessoas em risco 40% maior de depressão.

A equipe analisou dados de 11 estudos existentes que enfocaram a ligação entre depressão e dietas pró-inflamatórias – abrangendo mais de 100.000 participantes, entre 16 e 72 anos de idade, de variados gêneros e etnias, abrangendo os EUA, Austrália, Europa e Médio Oriente.

Todos os estudos registraram a presença de depressão ou sintomas depressivos nos participantes – por meio de auto-observação, diagnósticos médicos e uso de antidepressivos -, além de um questionário detalhado sobre o conteúdo de sua dieta.

Cada participante recebeu uma pontuação de quão inflamatória é sua dieta, de acordo com o índice inflamatório da dieta.

Alguns dos estudos eram transversais, usando dados que estavam imediatamente disponíveis, e outros estudos acompanharam os participantes por até 13 anos.

Em todos os estudos, os participantes que tiveram uma dieta mais pró-inflamatória foram, em média, 1,4 vezes mais propensos a ter depressão ou sintomas depressivos.

Os resultados, publicados na revista Clinical Nutrition, foram consistentes independentemente da idade ou sexo – e foram os mesmos em ambos os períodos de acompanhamento curto e longo prazo.

“Esses resultados têm um tremendo potencial clínico para o tratamento da depressão e, se for verdade, outras doenças, como a doença de Alzheimer, que também têm um componente inflamatório subjacente”, disse Steven Bradburn, da Manchester Metropolitan University.

“Simplesmente mudar o que comemos pode ser uma alternativa mais barata para intervenções farmacológicas, que muitas vezes vêm com efeitos colaterais”, disse Bradburn.

Uma dieta anti-inflamatória – contendo mais fibras, vitaminas (especialmente A, C, D) e gorduras insaturadas – tem o efeito oposto e pode ser implementada como um tratamento para a depressão, disseram os pesquisadores.

Portanto, uma dieta mediterrânea de azeite, tomates, verduras e peixes gordurosos pode ajudar a diminuir os sintomas depressivos.

A inflamação é o sistema de defesa natural do corpo contra infecções, lesões e toxinas.

Para se proteger do mal, o corpo libera proteínas, anticorpos e aumenta o fluxo sanguíneo nas áreas afetadas, causando vermelhidão e inchaço.

No entanto, a inflamação crônica coloca o corpo em constante estado de alerta e já foi relacionado a doenças como câncer, asma e doenças cardíacas.

Acredita-se que tal inflamação persistente, particularmente no cérebro, contribua para a morte neuronal.

Share

No Comments

Post a Comment