logo

Bem Vindos ao Nutrição e Desenvolvimento

Horário de Atendimento
Segunda - Sexta 09:00AM - 17:00PM
Sábado - Domingo FECHADO
NOSSA GALERIA

Seg - Sex 9.00 - 17.00

55-11-3845-7267

Whatsapp 55-11-9833-2857

R. Guarará, 529 - Cj. 58 - Jardim Paulista, São Paulo

Top

4 mudanças de estilo de vida podem proteger seu coração

Fonte: Essential nutrition

Um grande estudo multicêntrico, liderado por pesquisadores da Universidade John Hopkins, documentou a relação entre estilo de vida e saúde cardíaca, adicionando mais evidência às recomendações de adoção de hábitos de vida saudáveis, como a prática de exercício, dieta balanceada, manutenção do peso e, mais importante, não fumarOs pesquisadores provaram que se adotarem estes quatro cuidados as pessoas estarão protegidas contra doenças coronárias, bem como o acúmulo precoce de cálcio nas artérias do coração, e ainda terão uma redução de 80% no risco de morte, independente da causa, em um período de oito anos. “Para nosso conhecimento, este é o primeiro estudo que documentou uma associação de proteção entre os fatores de estilo de vida poderem baixar os riscos dos sinais precoces de doença vascular, doenças coronárias e de morte, em uma única avaliação longitudinal”, diz Haitham Ahmed, o autor que é um residente de medicina interna, no Centro Ciccarone de Prevenção de Doenças Cardíacas, na Universidade Johns Hopkins.

“Foram avaliados dados de mais de 6.200 adultos, de 44 a 84 anos de idade, entre africanos, latino-americanos e chineses. Todos foram acompanhados por uma média de 7,6 anos. Aqueles que adotaram as quatro hábitos de vida saudáveis apresentaram diminuição de 80% na taxa de mortalidade durante o período avaliado, em comparação com os participantes que não adotaram os mesmos hábitos, diz Ahmed.

Este estudo foi aplicado nos participantes do chamado Multi-Ethnic Study Of Atherosclerosis (MESA), que prospecta os fatores de risco, prevalência e prevenção de doenças cardíacas. Eles foram recrutados em seis centros médicos acadêmicos e não tinham diagnóstico de doença cardiovascular, quando foram matriculados.

Todos os participantes tiveram dosados o escore de cálcio coronário com tomografia computadorizada, quando foram matriculados pela primeira vez no estudo, para ver se havia sinais precoces de depósitos de cálcio nas artérias do coração, que são conhecidos por contribuir para o risco de ataque cardíaco. Como o estudo progredia, os pesquisadores também avaliaram se os participantes tiveram um ataque cardíaco, parada cardíaca súbita, dor no peito, angioplastia ou morreram devido à doença cardíaca coronária ou outras causas.

Os pesquisadores desenvolveram uma pontuação de estilo de vida para cada um dos participantes, variando de 0 (menos saudável) a 4 (mais saudável), com base em sua dietaíndice de massa corporal (IMC), quantidade de atividade física regular e tabagismo. O resultado apontou que apenas 2% do total de participantes, ou seja, apenas 129 participantes, que satisfaziam os quatro critérios completos de vida saudáveis. “De todos os fatores de estilo de vida, descobrimos que evitar fumar desempenhou o maior papel na redução do risco de doença cardíaca coronariana e de mortalidade”, diz Roger Blumenthal, cardiologista e professor de medicina na faculdade de medicina, da Universidade John Hopkins. De fato, os fumantes que adotaram dois ou mais dos hábitos saudáveis ainda tinham menores taxas de sobrevivência após 7,6 anos, do que os não fumantes que eram sedentários e obesos”.

Blumenthal, que também é o presidente da filial de Maryland da American Heart Association, diz que os resultados “reforçam as recentes recomendações da Associação Americana do Coração, que indicam a manutenção de uma dieta rica em vegetais, frutas, nozes, cereais integrais e peixes, mantendo um IMC inferior a 25, ser fisicamente ativo e não fumar para prevenir doenças cardíacas”.

Os pesquisadores enfatizam que o seu estudo mostra a importância de hábitos de vida saudável, não só para reduzir o risco de doença cardíaca, mas também para a prevenção da mortalidade por outras causas. “Embora existam fatores de risco que as pessoas não podem controlar, como a seu histórico familiar e idade, estas medidas de estilo de vida são coisas que as pessoas podem mudar e, consequentemente, fazer uma grande diferença na sua saúde. É por isso que acho que essa pesquisa é tão importante.”, afirma Ahmed.

Fonte: ScienceDaily, 03 de junho de 2013 – www.sciencedaily.com/releases/2013/06/130603090552.htm

 

Share

No Comments

Post a Comment