Seg - Sex 9.00 - 17.00

Whatsapp 55-11-97220-1978

 

 

R. Guarará, 529 - Cj. 107 - Jardim Paulista, São Paulo

Top

Conheça as mudanças de temperatura que ocorrem no corpo no triathlon

Fonte: Webrum

Imagem Ilustrativa

Imagem Ilustrativa

No último mês de Agosto atletas do mundo todo se reuniram em Brasília para a o Ironman Brasil 70.3, na qual o francês Jérémy Jurkiewicz foi vencedor, seguido pelo brasileiro Igor Amorelli. Na prova, que envolve nado, bike e corrida, a mudança da temperatura corporal pode desempenhar dois pepeis: de aliada ou vilã.

De acordo com o fisiologista do exercício e professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), Paulo Roberto Correia, já no início da prova o competidor deve se preocupar com a perda de calor. “Se o corpo entrar em contato com a água fria, o rendimento será inferior. Por isso, a roupa de borracha é essencial”, exalta.

Abdômen e lombar fortalecidos ajudam a evitar dores nas costass

Já na bike, o contato da pele molhada com o vento tem o mesmo efeito da água fria: dissipar o calor que o corpo produz durante a prática esportiva e aumentar a performance. “Nessa etapa não há mudanças. O corpo continua ventilado, fazendo com o que o competidor não sofra tanto”, revela Paulo.

Porém, o fisiologista alerta que tentar diminuir o tempo final da prova não tirando a roupa de borracha não é uma boa ideia. “Pedalar com a mesma roupa da natação pode esquentar muito o corpo e fazer o atleta quebrar. Por isso, depois do nado deve-se escolher roupas versáteis e leves”, sugere.

Na etapa de bike, corpo molhado e vento garantem resfriamento do corpo. Foto: Alexandre Koda/ Webrun
Na etapa de bike, corpo molhado e vento garantem resfriamento do corpo. Foto: Alexandre Koda/ Webrun

O desafio maior ocorre na hora da corrida, onde não há para onde o calor dissipar. “O corpo tem que lutar para conseguir se resfriar por meio da transpiração. Por isso, essa é a parte mais difícil do triathlon”, revela o profissional.

Doenças – Segundo o médico, quando a temperatura do corpo cai e entra em um estado de refrigeração, é comum a pessoa ficar com coriza, dores de cabeça e até calafrios. “Esse é o famoso resfriado, é algo comum que ocorre com o organismo. Porém, ele acaba baixando a imunidade e deixando o sistema imunológico fraco”, relata.

Circuito “fora do eixo” democratiza o triathlon pelo Brasil

Portanto, ficar sucetível a vírus e bactérias após participar de um triathlon é comum, mas não deveria ocorrer com tanta frequência. “Um competidor bem treinado e nutrido consegue combater vírus e bactérias mesmo com o sistema imunológico ruim. Portanto, um bom treino e uma boa alimentação é a garantia de sucesso”, conclui.

Share

No Comments

Post a Comment